segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

4ª Mulambada - Como foi

 Aconteceu esse mês na cidade de Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, um evento onde as pessoas puderam ter seu primeiro contato com a escalada em rocha.
Foi a 4ª edição da Mulambada, evento realizado pela Associação Pernambucana de Escalada em Rocha em parceria com a Prefeitura Municipal de Brejo da Madre de Deus.
Estiveram presentes cerca de 30 inscritos, além dos moradores locais, inclusive o grupo de escoteiros da cidade, somando com o pessoal da organização, mais de 50 pessoas movimentaram a cidade e os setores de escalada nos arredores.
Sábado a caminhada foi curta, cerca de 10 minutos até o Sítio Arqueológico Furna do Estrago, que além das escaladas tem pinturas rupestres pra apreciarmos. Após as escaladas o Bar do Paulo foi o local escolhido pra repor as energias com a especialidade local: carne de sol com macaxeira!
Domingo após um café da manhã reforçado, todos caminharam quase 1h pela caatinga pra chegar na base da Pedra da Bicuda, onde escalaram até o meio da tarde, quando todos pegaram o caminho de casa.
As fotos a seguir foram feitas por Jefferson Souza, confira!









 





quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

A História da Escalada em Brejo - Heraldo Gouveia

Cordel a História da Escalada de Brejo 
Autor: Heraldo Gouveia 
31/10/2013

Primeiro amigo que fiz
Foi Odens da ranger SMS
Eu mostrava o Brejo a ele
Me ensinou a rapelar
Eu curioso que só a gota
Comecei a me destacar
Depois o Panamenho Dario
Para a equipe reforçar
Com ele fiz curso de guia
Para o trabalho aperfeiçoar
O que aprendi com ele
Na vida é 'fundamentá'
Não esqueço do grupo Selva
Quando no Brejo chegou
apresentado pelo mestre Cáli
Neco Meireles e Lúcio Tata Mario Vela
Sapatilha e saco para magnésio
Me patrocinaram de boa
Com o grande Grupo Selva
Começaram os monitoramentos
Conselhos e ensinamentos
A escalada começava crescer
Impulsionado chegou a vez
Das feras o Brejo conhecer
(01)

No Brejo Márcio Bortolusso
A grande Mariana Candeia
Fomos à Pedra da Bicuda
Para um trabalho legal
Em dois dias estava pronta
A primeira via tradicional
O mestre passou a mensagem
Heraldo fica de prontidão
Chega amanhã na cidade
De longe muitas milhas
O grande conquistador
O diretor André Ilha
Partimos para o Sítio Arara
Naquela bela e boa ocasião
Um trabalho duro na trilha
Eu e André, de facão na mão.
Na base ataques de maribondos
Foi essa a recepção
No sábado de carnaval
Conheci Bernardo Colares
Visitou a nossa terra
Mas uma bela via deixou
Foi embora para sempre
Mas seu trabalho realizou
(02)

Grande Bernardo Colares
Nosso eterno presidente
Escalando na Patagônia
Com Kika Bradford boa gente
Na tragédia do Fitz Roy
Nos deixou descontentes
Outro dia por essas bandas
Dele não vou esquecer
Kava Mura e suas loucuras
Grande fenda ele desceu
Grande escalador e malabarista
Que as montanhas conheceu
Depois para nunca mais parar
Cauí, Luciano e Dago
Carlinha, Patrícia e Naná
Trabalhamos que nem doido
As montanhas preparando
Para o encontro realizar
No Dia do encontro
Dez anos de trabalho
Fiquei muito contente
Sonho realizado
Por causa da política
Contar a história fui barrado
(03)

Chamaram o amigo Menger
Escalador de Natal
Para palestrar no evento
Contou uma história bacana
Faltou a história do município
Brejense Pernambucana
Entre muitas histórias
Uma agora eu vou contar
Dagoberto, Heraldo e Lula
Na Pedra do Cachorro lutando
Lá eu quase perco a vida
Mas outra vez escapando
Eu e Cauí a tardinha escalando
Quando ele passou pela pedra
Confeccionando a via 127 horas
Outro livramento o criador deu
Rolou uma grande pedra
Passou perto, mas não bateu
As coisas é de quem tem vez
As coisas é de quem tem voz
Com Eliseu Frechou é assim
Proprietário do Mountain Voices
Contando a história do Brejo
E a de Heraldo para vós
(04)

Um documento importante
Para qualquer dia mostrar
Assinaturas dos escaladores
Que por aqui chegaram a passar
Espero rever todos eles
Um dia nas bandas de cá
Com os dois pés quebrados
Não sei se vou retornar
Pelo menos sou verdadeiro
E tenho que explicar
Amo minha linda terra
Amo também escalar
Abraço a Ralf Cortez
Valeu Ana Alvarenga
Miguel Zorro Colombiano
Dante, 'galera sem arenga'
Escrevi esse cordel
Quero que todos entendam...
São muitos forte bravos
Que ainda vou ressaltar
Tô quase o finalizando
Aos poucos vou lembra
De todas as grandes aventuras
Vividas em nosso lugar
(05)

O Japa Jiro figuraço
Apareceu no pedaço
O Doido Fábio Nunes
Todos nós de aço
Do Brejo para o mundo
Amigos aquele abraço
Muito longe antes
De tudo isso começar
Em 89 no Brejo, a acampar
Eu, Marcinho, Edson e Adriano
Brincando de fotografar
Encantados pelo encanto do lugar
Vi uma geração crescer
Gostando das nossas riquezas
Uns me chamam de mestre
Outros Rei das proezas
Mas o importante mesmo
Meu filho amante da natureza
Para quem se deu bem
Na história graças a Deus
Para contar os relatos
Verdadeiros que são meus
Depois da minha morte
A história será EU.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

4ª Mulambada!

Demorou mas agora vai!! IV edição da Mulambada, evento dedicado a proporcionar um fim de semana de escalada pra quem nunca praticou o esporte, com muita segurança e diversão!!
As inscrições estão abertas, corre que as vagas são limitadas!


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Escalada no Jornal do Comércio

Saiu ontem no JORNAL DO COMÉRCIO e no JC ONLINE uma reportagem sobre a escalada em Pernambuco, listando os principais pontos de escalada do estado e um pouco do dia de escalada por aqui! Confira:

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/suplementos/jc-mais/noticia/2014/10/26/os-amantes-da-escalada-em-pernambuco-152720.php

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Tudo Positivo! 03 novas vias em Brejo

Os últimos posts aqui no blog foram sobre novos picos, vias esportivas, verticais ou negativas, algumas fendinhas, etc.
Agora a história é diferente, a pedra fica mais positiva, os grampos, quando existem, ficam mais distantes, um musguinho aqui, um matinho ali, as agarras diminuem e de vez em quando desaparecem.
Foram abertas recentemente três novas vias em Brejo da Madre de Deus:

DIA SEM INDEPENDÊNCIA - 2° IV E3 D1 210m



No dia 07 de setembro, após o cancelamento das comemorações locais, Silas e Junior começaram a conquista dessa via, que em outras investidas tiveram a ajuda de mais duas escaladoras também de Brejo: Beth e Klecya.
A via se localiza na Serra do Estrago, e inicia um pouco à esquerda do "Rampão". Dá pra ver as duas primeiras chapas da base. O início é o mais complicadinho, mas depois vai ficando bem tranquila. A linha segue por quase 90m e se encontra com o "Rampão", após a enfiada comum, que é na verdade uma caminhada, ela segue agora à direita, ganhando inclinação e fugindo do padrão de proteção de 2 grampos a cada 30m somente na última enfiada, que deve ser IV grau, com algumas agarras na parede um pouco mais "em pé". A via termina antes de uma barreira de avelós que tem daquele lado da Serra do Estrago.
A proteção é feita com chapeletas simples ao longo da via e chapas com malha nas paradas (do jeito que não torce a corda). Tem parada dupla de 30 em 30m no máximo.

 Beth e Junior na conquista - Foto: Silas Brito

MR. COSTÃO - 2° III E3 D1 180m



Esta via foi iniciada por Patricia e Mirthis alguns anos atras, e concluída agora pelo Júlio Mello e pela Patricia.
Mr. Cosão, localizada atrás da escola André Cordeiro, possui três enfiadas de 60m de escalada tranquila e bonita. Chegando na última parada sobe mais uns 50m pela pedra (caminhando) e pega uma trilhinha pra esquerda, que em 5min te leva de volta pra cidade.
A via começa com grampos na primeira enfiada, que é a mais protegida e de maior dificuldade, e depois segue com chapas até o fim, pra rapelar é preciso duas cordas de 60m, mas a boa é descer andando mesmo.

Júlio Melo na conquista - Foto: Silas Brito

Miguelito repetindo a Mr. Costão - Foto: Wilker

VEGETARIANA - 3° IV E5 D1 260m



Depois do "Rampão" e da "Dia sem independência", já quase na beira do mato inicia-se a via Vegetariana, que conquistei no último domingo com ajuda da Michele. São 05 enfiadas de até 70 m, de escalada fácil, porém com pouquíssimas opções de proteção móvel e sem nenhuma opção de proteção fixa. A via segue sempre beirando o mato e sobe de forma independente até a base do topete, onde começa a via "Simbad, o marujo". O rapel é feito pelo Rampão, pois pela via é impossível. 
A primeira enfiada é tranquila, dá pra proteger com um móvel no meio e a parada é feita com duas peças numa laca que não está 100% firme, mas é praticamente em um platô, então dá pra assegurar quem vier participando tranquilo. Depois tem uma caminhadinha arrodeando o mato até chegar à um lugar que dá pra ficar em pé tranquilo, na extrema esquerda, antes do mato. Nessa P2 não tem nada, mas logo no início da terceira enfiada dá pra proteger com um friend pequeno e esticar um pouco até entrar no lance que eu achei mais bonito da via, uma faixa de rocha de pura aderência, com a surpresa de uma fenda na linha da via, mas não se anime, a fenda é cegueta, não cabe nada e só no final que dá pra usar a bordinha dela pra regletar, ou seja, tem q pagar uma aderência com a última/única peça láá em baixo...felizmente a qualidade é ótima e dá pra ir passo-a-passo tranquilo. Depois as agarras melhoram e toca até a P3 numa árvoresinha.
A quarta enfiada, começa desviado do mato que tem acima e buscando um diedro lá na esquerda, protege com um friend #7 (pode ser o #6 também). Daí eu toquei pra direita de novo e desviei do próximo mato, parando em cima dele e fazendo seg de corpo pra Michele. Isso tudo deu muito arrasto e é a única enfiada que faz a corda sofrer com a gosma do avelos. Acho que uma boa solução é dominar o diedro, montando nele, e seguindo por uma faixa de rocha limpa, até o bloco abaixo da P4.
Saindo da P4 é melhor o guia subir solto, pra em caso de queda não levar o broder junto. São 70m até a base do topete sem proteção nenhuma, a não ser que vocês queira se enganar e laçar os galhinhos gosmentos dos aveloses. A escalada é sempre pela pedra, nesse trecho um pouco de musgo aumenta seus problemas, mas dá pra ir, devagar, estudando cada passo, descansando às vezes, até que no final você atravessa um pouco pra esquerda e fica "protegido" pelo crash pad de mato pra fazer o último lance delicado, chegando à P5 à prova de bomba! De lá atravessa pro Rampão e tchau!

P1 

Proteção, ou nem tanto... - Foto: Michele Souza

                                                    P3, pode equalizar com a urtiga se quiser! - Foto: Michele Souza

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Triunfo - Escalada no Sertão de Pernambuco

Alexandre e Fernanda são um casal de escaladores mineiros que recentemente se mudaram pra Triunfo/PE, e assim que eles chegaram lá e se organizaram, marcamos uma trip pra conhecer as pedras da região!
Vale do catimbau visto da estrada, animal!

Triunfo é uma cidade única, estilo oásis no sertão, literalmente. São 400 km de distância de Recife, já no sertão do estado de Pernambuco. A cidade fica numa região elevada, o que faz com que a temperatura lá seja baixa, atraindo turistas de todos os tipos ao longo do ano.

Lagoa de triunfo, tem até um teleférico aí!!

Alexandre já tinha dado um rolé por lá e conhecido algumas pedras, possíveis setores de escalada. Ele nos levou no primeiro dia no Poço do Grito, um cânion com um riosinho e uns pocinhos d'água legais, além é claro de falésias vermelhas com possibilidades de muitas vias! Contam a história de que Lampião se escondia por ali, dá até pra entender porque. Acabamos focando todos os três dias no mesmo local, o resultado foram 11 novas vias!

Esse com certeza vai ser um setor de escalada de Triunfo!

O acesso é por uma estradinha toda calçada de pedras, a entrada é indicada por uma plaquinha de madeira "Poço do Grito", descendo a montanha em zig-zag por uns 25 minutos, o carro fica na casa dos moradores simpáticos e a trilha são uns 5 minutos descendo, atrás da casa.

Armamento pronto.

Chegando no setor de cima, onde tem as vias mais fortes,  levemente negativas, com agarras, variadas e graduação de VIsup até um projeto que deve estar na casa do 8°, cujo nome não poderia ser outro: Lampião.

 Água na base!

 Alexandre equipando a Lampião (Projeto)

 Miguel equipando a Duque (7c)

 Miguel na Duque (7c)

 Finalizando a conquista da "Não pare na Rampa" (7a)

 Miguel na seg sobre a ponte de sua autoria

Água na base mesmo! A cadena só vale se não molhar a corda!!

Descendo o rio pelo leito ou pela margem direita (por cima) chega no setor de baixo, onde tem algumas vias mais tranquilas, de IV a 6sup.

 Conquistando a Milho Verde (V)

Miguel abrindo a "Urubu da Meia-noite" (6sup móvel)

Paramos por aí, foi o que o tempo e as bateria permitiram, mais pra baixo as paredes continuam crescendo, existem possibilidades de vias de pelo menos 60m logo ali...

Miguelito editou um vídeo mostrando um pouco do que foi essa trip, confiram!


A pedra é dura pra furar, gasta bem a broca, não me perguntem qual tipo de rocha, fiquei bem confuso quanto à isso, se algum geólogo souber o que tem nos mapas de lá me diga!

Lista de vias - Poço do Grito, Triunfo/PE

Assim que for possível voltaremos pra abrir mais algumas coisas por lá e conferir o que os mineiros e os escaladores locais terão aberto também!!!

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Escalada em Macaparana - Pedra do Bico

No início do ano passei a trabalho por um lugar fantástico chamado Pedra do Bico, localizado perto do distrito de Pirauá, em Macaparana/PE, distante aproximadamente 130 km de Recife, estrada boa, trilha curta e ótimas possibilidades!

 Pedra do Bico, ainda sem vias.

Miguel na Liberdade (7a) - Pedra do Navio

Algum tempo depois começamos as investidas, fomos umas 4 ou 5 vezes no local pra abrir vias, algumas vezes mesmo com chuva conseguíamos deixar algo novo por lá!

 Pedra do Jumento?

Cauí na Docinho de Coco (IVsup) - Pedra do Navio

Até o momento são 14 vias ao todo, sendo que duas delas (top ropes) já estavam por lá. As vias atualmente variam do IV ao 7c, a maioria é vertical com agarras, mas tem fenda, chaminé e tudo mais pra quem quer variar um pouco. Ainda tem muita coisa legal pra abrir também!

 Cauí na Terror na Tenere (7b) - Pedra do Navio

 Possibilidades...Pedra do Bico

Miguel equipando a Liberdade (7a)

O pico é uma ótima opção pra escaladas de um dia, pois o acesso é fácil e as escaladas curtas (até 30m).

 Cauí na Bateria Voadora (7c) - Pedra do Navio

 Luciano na Kagábuburá (VIsup) - Pedra do Navio

Cauí na Liberdade (7a) - Pedra do Navio

Miguel e eu fizemos um arquivo com alguns croquis e betas de como chegar nas vias, clique AQUI pra baixar.

 Cauí na Macondo (7a) - Pedra do Navio

 Hugo em um top rope sem nome - Pedra do Navio

Cauí conquistando a chaminé Túnel de Vento (Vsup)